sábado, 9 de julho de 2011

O que aconteceu com o jardim do Éden? - Resposta

O que aconteceu com o jardim do Éden?

No dia 5 de julho levantei aqui uma discussão sobre um assunto um tanto controverso no âmbito teológico. 
A pergunta lançada não é recente, há séculos estudiosos se deblateram a cerca do assunto em pauta, porém, nunca houve ou haverá consenso entre eles. 
O que aconteceu com o jardim do Éden? Essa é uma pergunta inquietante que ao longo dos anos tem martelado o cérebro de muitos teólogos e também especuladores.
Diante disso, o que será que a Bíblia nos fornece a cerca do assunto? Temos respostas plausíveis?
Vejamos!

Essa questiúncula tem três principais correntes de pensamento teológica. Ou seja, de início temos, como já disse anteriormente, uma digladiação de ideias. 
As três correntes parecem, ao meu ver, insustentáveis, uma vez que a escassez de argumentos basilares para a construção de uma doutrina estão suprimidas. Mas, para efeito de conhecimento veremos os três pensamentos no que tange ao assunto.

1º. Pensamento
Diz que o jardim do Éden foi destruído e sua superfície modificada. Afirmam isso com base na inexistência da região hoje e também do desconhecimento hidrográfico do território mencionado na Bíblia. Dizem que os rios Tigres e Eufrates são conhecidos, todavia, os outros dois rios mencionados na passagem de Gênesis parecem ser inexistentes hoje. Entretanto, o historiador judeu Flávio Josefo, afirma em sua excelente obra 'História dos Hebreus', no livro primeiro, capítulo um, páginas 24 e 25, que o jardim era cercado por grande rio. O primeiro era chamado Fison, que os gregos chamavam de Ganges e que corria para a Índia. O segundo que se chama Eufrates; o terceiro que se chama Tigre. E por último, o quarto que se chama Geon e que os gregos chamavam de Nilo. Seria essa assertiva do historiador Josefo correta? Se assim for o primeiro pensamento com base  na inexistência hidrográfica seria pressionada. Essa linha de raciocínio é bem aceita e há relativa parcela de teólogos renomados que há acata.

2º. Pensamento
Alguns teólogos também dizem que o jardim do Éden foi descido as partes mais baixas da terra. Utilizam referência o livro de Ezequiel 31.3-18, apesar destes mesmos versículos servirem de sustentáculo para a primeira corrente.
Alguns críticos dizem que uma hermenêutica aprofundada nas passagens de Ezequiel 31.3-18 não confirmaria tal hipótese.
3º. Pensamento
Já alguns outros teólogos pensam que o jardim do Éden pode estar no 3º céu. Haja vista estabelecerem um paralelo entre Apocalipse 22.2 e Gênesis 3.22 e 24. Dizem que por Apocalipse fazer menção a árvore da vida no céu, na Nova Jerusalém, o jardim só pode estar lá. Vale recordar que a árvore da vida também estava no jardim do Éden, uma vez que muitos teólogos dizem que não (Gn 3.22). Contudo, pergunto: Deus não poderia ter retirado apenas a árvore da vida e tê-la elevado ao céu?

Para concluir gostaria de expor minha pequena e humilde opinião a cerca do assunto.
Quero reafirmar minha opinião a cerca dos três pensamentos dizendo que as três correntes estão estruturadas sob as voláteis bases da especulação. Seria mais sensato se entedêssemos Deuterônomio 29.29.


Cordialmente,


Weder F. Moreira

5 comentários:

  1. Eu acredito que Deus tomou para si. Em Gêneses 3.24, lemos que Deus colocou querubins e uma espada flamejante para guardar o caminho da árvore da vida.(Exatamente para guardar a árvore da vida! Depois Jesus Cristo mostra a João a árvore na nova na nova Jerusalém Celestial, Ap 22.2. Elton Batalha 03/05/2014, Belém- Pa.

    ResponderExcluir
  2. O Dilúvio pode ser uma das causas do desaparecimento do Éden...

    ResponderExcluir
  3. Creio na segunda posição.

    A mesma ensinada por Jesus em Lucas 16:19:31

    ResponderExcluir
  4. Creio na segunda posição.

    A mesma ensinada por Jesus em Lucas 16:19:31

    ResponderExcluir
  5. Creio na segunda posição.

    A mesma ensinada por Jesus em Lucas 16:19:31

    ResponderExcluir