segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

O que é avivamento?


O que é avivamento?


As comemorações do centenário das Assembléias de Deus no Brasil e também dos 75 anos do Ministério de Igarapava, leva-nos a refletir sobre assuntos de extrema relevância, como por exemplo, o pentecostalismo.
Entretanto, é impossível falar de pentecostalismo sem imaginar e pensar em avivamento. E, mediante isso, quero falar deste assunto tão “badalado” e comentado.


Os dias atuais são dias trabalhosos. O surgimento de movimentos ditos “avivalistas” tem colocado em dúvida o verdadeiro mover do Espírito Santo no meio da igreja, a ponto de muitos serem enganados pelo emocionalismo. Essa nova “onda” tem acarretado uma verdadeira incerteza no que tange ao genuíno e autêntico avivamento.

Por meio disso, será que sabemos, realmente, o que é avivamento? Será que sabemos o que realmente significa? Avivamento é barulho? Vejamos então o que é o verdadeiro avivamento.


Primeiramente é necessário ver o que significa a palavra, no bom dicionário eletrônico Aurélio, avivamento é o ato de avivar, ou seja, tornar mais vivo, realçar, tornar mais nítido ou visível, tornar mais intenso, mais forte.
Nas páginas das Sagradas Escrituras, observamos alguns avivamentos, sendo cinco no Antigo Testamento e três no Novo Testamento – Jerusalém, Antioquia e Éfeso.
Todos eles têm algumas premissas que se relacionam.
Vejamos o caso de Éfeso, Atos 19. 1-10.


Quando o apóstolo dos gentios, Paulo, chegou à Éfeso e começou a ministrar a Palavra de Deus ouve significativas mudanças naquele povo e, conseqüentemente, naquela cidade, haja vista o autêntico Evangelho trazer avivamento. George Wood, renomado pastor e teólogo americano, menciona em seu artigo ‘Reavivamento em Éfeso’, Revista Manual do Obreiro, ano 33 e nº 49: “Evangelho afeta até mesmo cultura e a economia”.


A cidade de Éfeso, famosa pelo templo de Diana, considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo, tinha por base comercial o artesanato de ídolos. Com a conversão de pessoas naquela cidade, tanto a produção desses ídolos como as compras caíram, pois, com a transformação de suas vidas eles não mais queriam saber das imundícias. Isso gerou um impacto na economia daquela cidade. Sua cultura foi transformada mediante o Evangelho de Cristo, as práticas pagãs foram abandonadas e deram lugar ao novo viver e novas práticas.


Se analisarmos os avivamentos na História da Igreja, veremos também as mesmas premissas relacionadas. Avivamentos como o Wesleyano, Reforma Protestante, dentre outros são exemplos disso. Mas, quais são essas premissas que interligam os avivamentos registrados na Bíblia e os registrados nos anais da história?


1 – Perseverança na Palavra – não existe avivamento sem Palavra, sem Bíblia. Por isso, movimentos que fazem surgir doutrinas antibíblicas é sinal de que não existe pureza no movimento.


2 – Oração – Sem oração não há avivamento. É preciso comunhão com Deus para surgir o autêntico avivamento.


3 – Perseverança na comunhão (Koinonia) – Ter comunhão uns com os outros é um sinal de que o Espírito Santo está trabalhando.


4 – Arrependimento – Arrepender das práticas erradas é um passo importante rumo ao avivamento.


5 – Dedicação a missões – O mover do Espírito habilita todo cristão a pregar o evangelho a toda criatura.


6 – Ação social – Avivamento traz uma comoção social. Avivamento é acompanhada de compaixão para com o próximo. O Espírito Santo tira o egocentrismo e coloca a comunhão.


Concluímos então que avivamento é, sem dúvida alguma, transformação de vida por intermédio da obra do Espírito Santo, pois somente ele pode moldar o ser humano e enxerta as práticas acima citadas.
Avivamento não é apenas barulho, não, barulho, aliás, é efeito e não causa. Avivamento não é emocionalismo, visto que emoção é apenas um ato instantâneo, sem efeito longo. Além do mais, avivamento não mexe apenas com as emoções do ser humano, mas abrange o seu todo.
Avivamento é resgatar valores sadios antes abandonados, é voltar ao primeiro amor. Por fim, avivamento é despertamento espiritual.
Avivamento é o que precisamos hoje, por isso vamos todos dizer: “Aviva Senhor a sua obra” HC 3. 2.


Observação: Este artigo foi escrito por mim e publicado no orgão oficial de informação das Assembleias de Deus do Ministério de Igarapava, jornal 'O Atalaia da Paz'. Transcrevo o aqui para que os leitores de lugares mais longínquos, leiam e se edifiquem.


Cordialmente,
 Weder Fernando Moreira

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Livros que recomendo: Igreja: Identidade & Símbolos

Livros que recomendo: Igreja: Identidade & Símbolos

Quando falamos de eclesiologia, sabemos que muitos pensadores, teólogos, biblicistas etc. e etc., se debruçaram no afã de ver essa vasta área do âmbito teológico dissecada e "destrinchada".
Porém, apesar de muitos contribuirem para essa área com seus estudos e pesquisas, fica evidente que muito se tem para explicar sobre a Igreja.

Nesta obra o autor Esdras Bentho, teólogo pentecostal, esbanja seu vasto conhecimento na tentativa de dar mais uma contribuição a essa parte da teologia.

Esdras, vai a fundo no que tange ao descortinamento do termo grego ekklesia nas Sagradas Escrituras.
Primeiro o aludido autor mostra a origem do vocábulo nas esferas seculares. Mostrando a importância da ekklesia na era das assembleias na ágora das polis gregas.
Depois o autor mostra como o vocábulo tornou-se, praticamente, exclusivo aos escritos e ditos cristãos.

Logo após, Bentho abrange a ocorrência do termo grego em vários livros do Novo Testamento, solucionando também questões exegéticas e hermenêuticas em perícopes Sagradas, como por exemplo Mateus 16.18 e 2 João 1.1.

O livro é escrito de maneira um tanto robusta, evidenciando uma erudição que o leitor comum talvez não consiga ler. Entretanto, como diz o próprio autor, o livro é para estudiosos, bem como para alunos seminaristas. 

Todavia eu o recomendo para aqueles que querem saber realmente o que é a Igreja e qual sua identidade registrada nas Páginas Sagradas.

O opúsculo é editado pela CPAD e se encontra nas melhores livrarias do país.
Vale a pena ler.



Cordialmente,

Weder F. Moreira

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

ONDE ESTÃO OS CEIFEIROS?



Por Antonio Adson

Matheus no capítulo 9 e versículos 36 a 38 registra que o senhor JESUS ao contemplar a multidão que estava a sua vista, teve grande compaixão, porque andavam cansadas e desgarradas, como ovelhas que não tinham pastor, diante deste doloroso fato o MESTRE amado convoca seus discípulos a rogar ao Pai em favor do reino.
ELE já havia os ensinado a orar corretamente (MT 6;9-13), também ensinou que a oração que agrada ao PAI é aquela que tem como primazia o engrandecimento do reino de DEUS (MT 6:10,33).


JESUS revelara que a seara era grande, o campo, que é o mundo (MT 13:38a), onde se encontra a seara, estava precisando urgentemente de trabalhadores. Mais de dois mil anos depois, talvez por nossas igrejas encontrar-se cheias de obreiros, podemos até pensar que esta convocação para rogarmos ao PAI em favor da seara não se aplica ao tempo presente, mas se percebermos veremos o contrário, a necessidade de rogarmos ao PAI em favor da seara é atual e isto está patente aos nossos olhos, pois vidas aos milhões partem para a eternidade, dia após dia, sem terem um encontro com CRISTO. Lamentavelmente, muitas delas eram nossas conhecidas e muitas tinham algum parentesco conosco, partiram desta vida sem ouvir de nossa boca o glorioso plano da salvação. Isto nos faz reconhecer o quanto estamos negligentes ao MESTRE, se nem mesmo estamos rogando, como podemos ir para seara? (MC 16:15).


A verdade é que as almas não ouvem o evangelho com veemência porque não pregamos com veemência (RM 10:14) e de forma ímpar.
Esta realidade precisa ser mudada, os ceifeiros de CRISTO precisam posicionar-se, urgentemente, onde estes estão? Onde estão os convocados para a grande comissão? Onde se encontram os semeadores? Creio que os ceifeiros são aqueles cujos ouvidos são sensíveis para ouvir o clamor das almas, que tenha coração quebrantado, que ame o pecador, demonstrando a este o amor divino, que cuja semelhança de JESUS, sua comida é fazer a vontade do PAI celestial (JO 4:34), que a semelhança de DAVI, tenha a ousadia de arrebatar as ovelhas da boca do horrível leão (1SM 17:34,35) salvando aqueles que estão destinados a morte, arrebatando-os do fogo (JD V23), que a semelhança de Paulo, sinta em si mesmo a grande responsabilidade de pregar o evangelho (1CO 9:16).


Sê você e eu um destes. Não fique parado.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Os 4 degraus da queda de Pedro

Os 4 degraus da queda de Pedro
 
Antes de Pedro tornar-se um apóstolo cheio do Espírito Santo, um pregador ungido e um líder eficaz, revelou sua fraqueza e chegou ao ponto de negar a Jesus. Pedro caiu, suas lágrimas foram amargas, mas sua restauração foi completa. A queda de Pedro passou por alguns estágios. A seguir, mostraremos os 4 degraus de sua queda.
 
Continue lendo... Clique aqui




Fonte: Davar Elohim

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

De que vale a primogenitura?

De que vale a primogenitura?


"...De que me aproveitará o direito de primogenitura?"
Foi o que disse Esaú ao seu irmão Jacó, logo após chegar do campo muito cansado.
Essa perícope registrada no "Livro dos Começos", Gênesis, mostra o quão ignóbil tornou-se a ação de Esáu mediante a um fato de extrema relevância na vida de um hebreu.

Essa, com certeza, é uma conhecida história registrada na Bíblia, todos, do mais tenro ao mais velho, sabe as consequências trágicas que trouxe esse ato irracional de Esaú.
Quero, porém, refletir, um pouco mais, a cerca dessa passagem, bem como seu contexto não "revelado". 

Ao meu ver a assertiva de Esaú é um tanto ilógica, haja vista o direito de primogenitura ser um ato de grande importância na vida do filho mais velho de uma família hebreia.
William L. Coleman, em seu livro 'Manual dos Tempos & Costumes Bíblicos', Editora Betânia, nos revela algo de valia a cerca da importância que se dava ao direito de primogenitura.
Diz ele que o filho primogênito era o principal herdeiro da família, sendo que na distribuição da herança ele recebia o dobro da porção de cada irmão. Esse filho mais velho ainda administrava os bens da família, liderava e, se a família fosse serva do Deus El Shadai, receberia bênçãos espirituais e materiais evocadas pelos seus pais.

A escolha de Esaú pelo prato de comida foi, realmente, uma verdadeira escolha tola. As bênçãos supracitadas com certeza evidenciam isso. 
Esaú preferiu escolher uma bênção passageira, um prazer momentâneo, ignorando a bênção a longo prazo, bênção essa que atingiria até mesmo sua descendência. Ora, quanta bestialidade.

Entretanto, muitos de nós hoje temos feito o mesmo. Sim, não se espante amado leitor.
Muitos de nós temos, à semelhança de Esaú, repugnado as maravilhosas bênçãos da primogenitura.
Deixe-me explicar melhor.
Quando Cristo morreu na cruz do Calvário e ressuscitou ao terceiro dia, ganhamos a maior bênção que um filho pode receber, a Salvação para a vida eterna. Ele, como Pai supremo, alcançou com seu sangue nossas vidas, pois, diferentemente do direito de primogenitura "normal", esse não só atingiu toda descendência, mas sim toda a humanidade, todos aqueles que quiserem aceitar o nome de Jesus como único e suficiente Salvador.

Todavia, alguns tem, por motivos supérfluos, banais e corriqueiros, por circunstâncias que trazem apenas prazeres momentâneos, caído no mesmo erro de Esaú. Preferindo os prazeres carnais do que as bênçãos que emanam da cruz de Cristo.
Contudo, ainda há esperança. As bênçãos deste maravilhoso Pai não podem ser trocadas, Ele espera por mim e por você, sempre, de braços abertos para abençoá-lo com as maravilhas do seu sacrifício no Calvário.

Que possamos, ao contrário de Esaú, aproveitar nossa tão grande oportunidade que nos foi fornecida por Jesus Cristo, O Salvador.

Cordialmente,

Weder F. Moreira

domingo, 16 de janeiro de 2011

Eu posso duvidar de Deus? É pecado?

Eu posso duvidar de Deus? É pecado?
Por Dennis Allan





Dúvidas surgem. Injustiças no mundo nos levam a questionar os fatos revelados. Algumas pessoas até negam a bondade ou a própria existência de Deus, não conseguindo compreender as imperfeições no universo criado e governado por um Deus perfeito.



Freqüentemente, alguém se exalta e justifica a sua desistência espiritual, dizendo que não consegue acreditar num Deus que permite males no mundo, ou que não sente ânimo de continuar servindo ao Senhor em face de tribulações na vida.


Várias pessoas expressaram, na Bíblia, suas dúvidas sobre as obras de Deus. Davi perguntou sobre a justiça de Deus e pediu a resposta de Deus (Salmos 6:3; 69:16). Habacuque tentou compreender os atos de Deus em relação aos povos de Judá e Babilônia. João Batista enviou mensageiros a Jesus para buscar respostas às suas próprias dúvidas (Mateus 11:2-3). Tomé insistiu em ver as evidências de Jesus ressuscitado (João 20:24-28). Esses servos de Deus questionaram, mas procuraram respostas no lugar certo. Olharam para Deus.


Asafe abre a janela de sua própria alma no Salmo 73, expressando os seus pensamentos mais íntimos ao enfrentar tais desafios. Disse que quase se desviou espiritualmente por ver os perversos prosperarem enquanto os servos de Deus sofriam (2-14). Ele lutou para responder às perguntas dos incrédulos; “Como sabe Deus? Acaso, há conhecimento no Altíssimo?” (11). É normal enfrentar dúvidas. Asafe nos ensina como agir nesses momentos de insegurança espiritual.


•Não adianta negar as nossas dúvidas, nem correr das questões difíceis. Bons homens questionam e buscam respostas nas suas crises espirituais.


•Não devemos expor as nossas dificuldades aos mais frágeis, pois correremos o risco de derrubar a fé dos outros: “Se eu pensara em falar tais palavras, já aí teria traído a geração de teus filhos” (15).


•Precisamos encarar as nossas perguntas com humildade, lembrando das nossas próprias limitações: “Em só refletir para compreender isso, achei mui pesada tarefa para mim” (16). Não devemos confiar no nosso próprio raciocínio para entender as experiências da vida.


•As respostas vêm de Deus, e cabe a nós procurá-las: “…até que entrei no santuário de Deus” (17); “Tu me guias com o teu conselho…” (24); “Quem mais tenho eu no céu?” (25); “Os que se afastam de ti, eis que perecem” (27).


Decidimos como enfrentar as nossas dúvidas. “O perverso, na sua soberba, não investiga” e nega a Deus (Salmo 10:4). “Quanto a mim, bom é estar junto a Deus; no SENHOR Deus ponho o meu refúgio, para proclamar todos os seus feitos” (Salmo 73:28). Davi aprendeu, por meio de muitas angústias, a confiar no Senhor: “Eu creio que verei a bondade do SENHOR na terra dos viventes. Espera pelo SENHOR, tem bom ânimo, e fortifique-se o teu coração; espera, pois, pelo SENHOR” (Salmo 27:13-14). “Somente em Deus, ó minha alma, espera silenciosa; dele vem a minha salvação” (Salmo 62:1).




Fonte: Gospel +

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Big Brother Brasil, A Fazenda e os reality shows

Big Brother Brasil, A Fazenda e os reality shows


Não é de hoje que a programação televisiva é, de um modo geral, perniciosa.
Pórem, ela ganha mais periculosidade quando se fala em reality shows.
No último dia 11 do corrente ano, estreou o BBB11, e daqui há alguns dias ou meses teremos a estreia também de A fazenda.

Programas como esses são verdadeiros estímulos ao pecado e quem os vê nada de proveito tira, a não ser as mazelas e as intrigas retratadas ali.
A verdade é que essas tramas, retratam a sociedade permissiva de hoje, em que os instintos mais baixos viram atração e entreterimento.
Basicamente isso é um reality show.

Eles nada mais, nada menos, representam a decadência moral da sociedade ocidental.
Fornicação, infidelidade, preguiça, maledicência, invejas, homossexualismo etc. e etc., tudo isso é algumas das coisas ali apresentadas.


Esse estereótipo da sociedade atual evidencia o quão decadentes estamos, sociedade essa, que outrora era basicamente, cristã. Se observarmos a divisão da história moral do ocidente, veremos que ela se divide em três:

1 - Pré-cristã - onde a imoralidade era aceitável
2 - Cristã - onde a imoralidade foi banida e aprisionada, dando lugar à moral e à ética
3 - Pós-cristã - que começa novamente a desenfrear e libertar a imoralidade e a libertinagem, onde também a moral e a ética vão sendo cada vez mais raras de se encontrar.

Entretanto, a onde foi parar nossa "vergonha na cara"?
Uma das explicações plausíveis é que a trama envolve tanto as pessoas que elas nem percebem que os valores éticos e morais estão sendo pisados, mediante isso vão caindo na armadilha de satanás.
A geração de hoje é a geração citada por Jesus em Mateus 12. 43 - 45.

Já pensou o que o apóstolo Paulo falaria dos reality shows, o BBB e a Fazenda? Com certeza repetiria o que disse a Igreja de Éfeso, Efésios 5. 12.
E o que falaria o profeta Habacuque? Habacuque 1. 3 nos fornece a resposta.
E o rei Davi? Com certeza ele diria o que está escrito em Salmos 10. 2 e 3.

Todavia, não é isso que estamos vendo alguns cristãos dizerem, alguns estão preferindo o contrário, infelizmente.
Mudemos de atitude e vamos nos ocupar com coisas mais úteis.



Cordialmente,

Weder F. Moreira 




quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O que é ser evangélico?

O que é ser evangélico?

Dizem que, para algumas perguntas, não existe resposta. Ou então, há várias, mas que nenhuma pode ser considerada totalmente correta. Parece ser o caso de uma questão com a qual os brasileiros passaram a lidar com maior frequência nos últimos anos, em grande medida por conta das implicações sociais: o que significa ser evangélico em nosso país? Não vale a pena apressar-se em responder, até porque se trata de um questionamento retórico, que leva a outras indagações. Como definir a pessoa que assim se classifica? E que traços a identificam e distinguem daquela que não se apresenta como tal? Há algumas décadas, uma resposta evidente seria: “Evangélicos são os bíblias, que andam de terno ou saia longa no domingo e vão à igreja de crentes.” Reducionista e pejorativa, tal definição, embora comum no passado, já era incapaz de abranger um conceito tão amplo. Mas servia, ao menos, como forma de distinguir os cristãos protestantes, que também eram notados pelo modo de vida frugal e conduta modelar. Sim, ser “bíblia” era sinônimo de integridade noutros tempos...

Continue lendo... clique aqui


Fonte: Cristianismo Hoje

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Gestor ou pastor?

Por Altair Germano


Gestor ou pastor?

Gestor cuida de coisas, pastor cuida de ovelhas.

Gestor visita obras, pastor visita ovelhas.
Gestor administra os negócios, pastor alimenta as ovelhas.
Gestor comanda de sua mesa, pastor se envolve com as ovelhas.

Gestor cheira a gabinete, pastor cheira a ovelha;
Gestor manda nos comandados, pastor serve as ovelhas.
Gestor possui seguranças, pastor protege as ovelhas.
Gestor consulta o número do cadastro, pastor conhece as ovelhas pelo nome.


Gestor espera o resultado, pastor vai em busca da ovelha e a carrega nos ombros
Gestor pune, pastor corrige as ovelhas.

Gestor demite, pastor restaura as ovelhas.
Gestor da treinamento para os liderados, pastor guia as ovelhas.


Gestor tem metas, pastor tem propósitos.
Gestor busca o topo, pastor caminha nos vales.
Gestor usa apenas a técnica acadêmica, pastor usa a experiência dos desertos e dos vales.
Gestor é formado, pastor é chamado.


Gestor assina papéis, pastor cumpre o seu papel.
Gestor gasta tempo e recursos com a manutenção do posto, pastor investe na oração.
Gestor constrói prédios, pastor edifica vidas.
Gestor paga contas, pastor paga o preço.

Gestor é temido, pastor é amado.
Gestor possui igreja, pastor é dado a igreja.
Gestor é chefe, pastor é amigo.
Gestor é bajulado, pastor é honrado.


Gestor passa, pastor fica na memória.
Gestor vive regaladamente, pastor dá a vida pelas ovelhas.

domingo, 9 de janeiro de 2011

Missão

Missão

Em algumas cidades do nosso querido país, em algumas igrejas evangélicas, realiza-se hoje o culto missionário.
Onde congrego não é diferente. Celebramos também em nossa igreja o culto de missões.
Com o intuito de incutir na congregação a obediência para que se cumpra a ordenança de Jesus Cristo aos crentes-discípulos: "Ide por todo mundo e anunciai o evangelho a toda criatura".
É nesses cultos que tentamos incitar os irmãos a praticar o evangelismo. A ganhar almas e contribuir para o sustento dos missionários transculturais e nacionais.
Em meditação a essa atividade especial, decidi postar hoje um vídeo que fala sobre missões.
Reflita.

Cordialmente,

Weder F. Moreira

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

MEC faz apologia ao homossexualismo - Se você é contra faça a sua parte

MEC faz apologia ao homossexualismo - Se você é contra faça a sua parte




Meu irmão. Precisamos passar da mera denúncia a ação. Ao clicar no título da matéria você será direcionado a página de uma petição pública com um abaixo assinado. Preencha posicionando-se contra a distribuição do kit gay. Transmita a seu amigos. Reproduza a matéria e o link com o abaixo assinado em seu blog e em todos os meios eletrônicos que você dispuser. Essa é uma ação em favor da preservação da família. Não precisa citar meu blog. Essa causa é de todo CRISTÃO!



Comentário: Quero aqui deixar bem claro, antes de mais nada, que eu pessoalmente não tenho nada contra os homossexuais. Tenho inclusive alguns amigos que se encaixam nesta categoria, pois a escolha é pessoal. Mas daí para incentivar crianças pequenas a serem homossexuais, isto é uma questão muito diferente.


"Encontrando Bianca" é um dos vídeos que integram o "kit contra homofobia" que o Ministério da Educação (MEC) planeja enviar para seis mil escolas de ensino médio de todo o país. Ele o vídeo, foi exibido durante seminário sobre o tema na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados no final do ano de 2010.


Um convênio firmado entre o Ministério da Educação (MEC), com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), e a ONG Comunicação em Sexualidade (Ecos), produziu o kit de material educativo composto de vídeos, boletins e cartilhas com abordagem do universo de adolescentes homossexuais que será distribuída para 6 mil escolas da rede pública em todo o país do programa "Mais Educação".


O trecho do debate incluindo o vídeo "Encontrando Bianca" pode ser visto abaixo. Este vídeo foi divulgado pelo deputado Jair Bolsonaro (PP/RJ) em seu canal no YouTube. "Esse kit tem título de combate à homofobia mas, na verdade, é um estímulo ao homossexualismo, um incentivo à promiscuidade", disse Jair Bolsonaro durante o encontro.

O resumo da história do vídeo: "um menino chamado Ricardo de 9 anos entra no banheiro da escola e, observa seu coleguinha fazendo xixi, ele se sente atraido pelo coleguinha e declara seu amor por ele. Na sala de aula, a tia o chama pelo nome, Ricardo, mas ele retruca, meu nome é BIANCA. No final estimula as crianças a assumirem sua identidade homossexual, e, a cartilha afirma que esta é uma atitude correta a ser tomada dentro de sala de aula."
Em Campo Grande, sob o comando do presidente da Câmara, Paulo Siufi (PMDB), vereadores querem proibir a distribuição do kit. Está aí um belo exemplo a ser seguido!!!

Enquanto isto vemos de todos os lados uma artilharia contra o deputado Jair Bolsonaro, o acusando de homofóbico e inclusive que estaria sugerindo a violência contra homossexuais. Eu sou da opinião que cada um, dentro do limite do bom-senso é claro, educa seus filhos da maneira como quiser. Agora querer se intrometer na educação alheia e tentar mostrar quão bom é ser gay, e que isto é normal, já foi longe demais. Querer calar críticos usando o adjetivo de homofóbico é a mesma coisa que chamar aqueles que denunciam Israel como anti-semitas.


Fonte: Blog A PEDRA

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Ateus lançam campanha em ônibus no Brasil

Ateus lançam campanha em ônibus no Brasil

A Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) lançou um comunicado sobre sua nova campanha:
A partir do dia 13 de dezembro de 2010, ônibus com mensagens a respeito de ateus, ateísmo e religião circularão em duas capitais brasileiras.
A iniciativa da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos apresenta quatro mensagens que expõem um pouco do que pensam os ateus. É mais um passo dado pela entidade para o reconhecimento dos descrentes na sociedade como cidadãos plenos e dignos. São 10 ônibus em Porto Alegre, financiados por um único doador paulista que prefere permanecer anônimo, e 5 ônibus em Salvador, financiados com recursos da entidade e outros doadores.


A campanha dos ônibus não procura fazer desconversões em massa. Nossos objetivos são conseguir um espaço na sociedade que seja proporcional aos nossos números, diminuindo o enorme preconceito que existe contra ateus, e caminhar rumo à igualdade plena entre ateus e teístas, que só existe quando o Estado é verdadeiramente laico – o que está muito, muito longe de acontecer.


Contexto


O lançamento da campanha ocorre pouco depois de o Ministério Público Federal ajuizar ação civil pública contra o jornalista José Luiz Datena pedindo retratação de suas afirmações ofensivas contra ateus. Datena já é alvo de um inquérito civil aberto pelo Ministéiro Público Estadual e uma investigação criminal na Delegacia de Crimes de Racismo e Discriminação, em São Paulo, requerida pela Atea.
As iniciativas de autoridades públicas em defesa dos ateus, embora tenham sido provocadas pela Atea e outros ateus indignados, são inéditas no país e constituem marcos importantes em nossa luta por direitos. Recentemente a Atea exerceu direito de resposta em dois grandes jornais do país com relação a um par de artigos de Frei Betto relacionando tortura ao ateísmo militante.

Enquanto isso, nos EUA os American Atheists veicularam um outdoor em Nova York celebrando a razão. Quatro grandes organizações de ateus norte-americanos lançaram em outdoors, ônibus, trens e em jornais e revistas a maior campanha de divulgação ateia já veiculada, segundo relato da American Humanist Association. No Canadá, o Centre for Inquiry está lançando a campanha “Alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias”, com anúncios em ônibus, eventos educativos e discussões online. Inspirado na famosa citação de Carl Sagan, o material compara Jesus ao pé-grande, OVNIs e outras entidades do mesmo calibre.



Fonte: Genizah



terça-feira, 4 de janeiro de 2011

2011 - Ano da Cruz de Cristo

2011 - Ano da Cruz de Cristo

“Jesus bradou em alta voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” Lc 23.46


Prezados leitores [as], a cada dia vemos o evangelho se transformando num produto, a igreja em um mercado, o púlpito em um balcão e os crentes em consumidores das bênçãos de Deus. Vemos com muita tristeza o empobrecimento dos púlpitos. Pregadores discursam seus sermões centrados no antropocentrismo e na autoajuda.

Continue lendo... Clique aqui



 
 
 
 
Fonte: Davar Elohim
 
Cordialmente,
 
Weder F. Moreira

domingo, 2 de janeiro de 2011

Atalaia da Paz estreia 2011 com design novo

Atalaia da Paz estreia 2011 com design novo

Queridos leitores, o blog Atalaia da Paz estreia 2011 com um design novo, nada magnífico, haja vista não ser eu um design gráfico, nem programador. Porém, de maneira simplória, fiz o meu melhor para que você desfrute dos arquivos disponíveis aqui. Além do mais, mudar de ares é sempre bom.
Entretanto, tenho uma péssima notícia, apesar de o design, simplório, ser novo, o editor, ainda, é o velho - risos. Então... tenham paciência, ainda estou aprendendo.
Apesar deste "contra-tempo", seguiremos firmes em 2011.

Grato pela compreensão.

Cordialmente,

Weder F. Moreira - o aludido editor - mais risos.